domingo, 17 de outubro de 2010

SERVIÇO SOCIAL

video




A PROFISSÃO DO SERVIÇO SOCIAL NÃO SURGIU DA "EVOLUÇÃO " DA FILANTROPIA E NEM TÃO POUCO É FRUTO DAS PESSOAS QUE TEM COMO O IDEAL A FILANTROPIA , ELE SURGIU COM O AUMENTO DOS PROBLEMAS SOCIAIS , COM NECESSIDADES SOCIAL DA EXPLORAÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO , CENTRALIZANDO - SE ,RACIONALIZANDO-SE NA ATIVIDADES ASSISTÊNCIAIS E DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS SOCIAIS PELO ESTADO.

Mas o que será o serviço social?
  O SERVIÇO SOCIAL TEM NA QUESTÃO SOCIAL A BASE DE SUA FUNÇÃO COMO ESPECIALIZAÇÃO DO TRABALHO:


* CONJUNTO DAS EXPRESSÕES DAS DESIGUALDADES DA SOCIEDADE CAPITALISTA:


* DETERMINA O CARÁTER HISTÓRICO DESTA PROFISSÃO


* COMO OS HUMANOS SE ESTRUTURAM EM SOCIEDADE:


* COMO BUSCAM ALTERNATIVAS PARA A SUA SOBREVIVÊNCIA:


*QUAIS AS POSSIBILIDADES DE TRANSORMAÇÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS


  O SERVIÇO SOCIAL TEM NA QUESTÃO SOCIAL A BASE DE SUA FUNDAÇÃO COMO ESPECIALIZAÇÃO DO TRABALHO , QUE NÃO É O TRABALHO EM SI , MAS COMO SE DÃO AS RELAÇÕES DE TRABALHO.
  NÃO PODEMOS PERDER DE FOCO A QUESTÃO SOCIAL COMO OBJETO DE ESTUDO DO SERVIÇO SOCIAL, PRINCIPALMENTE PELO FATO DE SER A QUESTÃO SOCIAL QUE DETERMINA O CARÁTER HISTÓRICO DESTA PROFISSÃO.

O Serviço Social é uma profissão interventiva que busca diminuir as disparidades sociais.
Um assistente social atua, através de pesquisas e análises de realidade social, na formulação, execução e avaliação de serviços, programas e políticas sociais que buscam a preservação, defesa e ampliação dos direitos humanos e a justiça social.
O trabalho do assistente social tem como objetivo visar e garantir direitos e assistência para a população desamparada, fazendo isso por meio de políticas sociais, de forma organizada e planejada, lutando contra os problemas das injustiças que podem afetar os desamparados socialmente.
Entre os principais campos de atuação profissional de um assistente social estão:
  • Redes de serviços sociais do governo
  • Hospitais
  • Escolas/creches
  • Centros de convivência
  • Administrações municipais, estaduais e federais
  • Serviços de proteção judiciária
  • Conselhos de direitos e de gestão
  • Movimentos sociais
A profissão é regulamentada no Brasil pelo Conselho Federal de Serviço Social e seus respectivos Conselhos Regionais.
Regularmente são realizados concursos para assistente social para o preenchimento de vagas de emprego em administrações públicas.
SER ASSISTENTE SOCIAL ATUALMENTE É UM GRANDE DESAFIO, POIS, CADA DIA QUE PASSA NOS DEPARAMOS COM A ITENSIFICAÇÃO DOS PROBLEMAS SOCIAIS, EXPRESSADOS DE FORMA CLARA PRINCIPALMENTE NO UNIVERSO DO TRABALHO, COMO A SUA INFORMALIDADE, BEM COMO O DESEMPREGO ASSUSTADOR. ESTAMOS DIANTE DE UM CAPITALISMO FORTIFICADO, QUE CONSEGUIU “SUGAR” OS IDEAIS DA SOCIEDADE (PELO MENOS BOA PARTE), E SÓ RESTOU A CATEGORIA PARA LUTAR PELOS DIREITOS SOCIAIS, QUE NÃO É FÁCIL DIANTE DO NEOLIBERALISMO QUE NOS ATORMENTA TODOS OS DIAS. TODAVIA, SOMOS OTIMISTAS E ACREDITAMOS NUMA SOCIEDADE MAIS JUSTA E EQUITATIVA, É ISSO QUE FAZ A PROFISSÃO “ESTAR DE PÉ” E SEMPRE SER  SOCIAL.
Assistente Social trabalha objetivando a garantia e a concretização dos direitos sociais!! Esse é o nosso papel. Não tem nada a ver com ajuda e nem caridade. A questão social se expressa de diversas formas na vida das pessoas (desemprego, violência, uso de drogas, trabalho infantil, etc) e é nesse contexto que se insere o trabalho do Assistente Social. Lógico, que muitas das necessidades sociais apresentadas não conseguiremos atender, devido às políticas sociais e recursos institucionais que não oportunizam o atendimento daquela necessidade. O desafio é grande!! Não é fácil lutar pelos direitos sociais, mas temos que ser otimistas, acreditar e lutar por uma sociedade mais justa e igualitária

O papel do assistente social é viabilizar os direitos dos cidadãos, intervindo na população de maior vulnerabilidade social. Por meio de projetos, programas sociais, enfim, tem que estar preparado, ser crítico, propositivo, sem perder a sensibilidade diante dos fatos.
Com certeza nessa profissão você estará envolvida com “a dura realidade”, vai haver situações em que irá lutar, e no fim nada conseguirá solucionar; mas por outro lado é muito gratificante conseguir com que os usuários saibam quais são os seus reais direitos, orientá-los, programar projetos que mudarão

Definição do que é Serviço Social, defendida pelo CFESS – Conselho Federal de Serviço Social, na Conferência Mundial de Serviço Social, em Hong Kong:       O Conselho Federal de Serviço Social (CFESS), organização brasileira reconhecida pela Lei Federal 8662/1993, foi criado em 1957 e conta hoje com aproximadamente 90.000 assistentes sociais. No processo de revisão da definição de Serviço Social, apresentamos a seguir uma contribuição ao debate, compreendendo que uma definição mundial deve ser ampla, de modo a contemplar as diferenças existentes e particularidades dos países.
Definição O/a assistente social ou trabalhador/a social atua no âmbito das relações sociais, junto a indivíduos, grupos, famílias, comunidade e movimentos sociais, desenvolvendo ações que fortaleçam sua autonomia, participação e exercício de cidadania, com vistas à mudança nas suas condições de vida.
Os princípios de defesa dos direitos humanos e justiça social são elementos fundamentais para o trabalho social, com vistas à superação da desigualdade social e de situações de violência, opressão, pobreza, fome e desemprego.
Comentário A formação do/a Assistente Social está fundamentada em princípios que respeitam as diferenças e fortalecem as potencialidades dos sujeitos com os quais trabalha, sem discriminação de qualquer natureza. Para tanto o/a profissional deve ter postura ética, competência teórica e habilitação técnica para desenvolver suas competências e atribuições articuladas a um conjunto de valores, teorias e práticas de defesa dos direitos humanos.
Valores O trabalho social desenvolve-se a partir dos ideais da democracia e os direitos humanos motivam e legitimam a sua ação, e seus valores radicam no respeito à igualdade, liberdade, enfrentamento da desigualdade, participação, eqüidade, eliminação de todas as formas de preconceito, respeito à diversidade
de cultura, etnia, pensamento, orientação sexual, correntes teórico-metodológicas e defesa de uma sociedade sem guerras, sem violência e sem opressão. No trabalho profissional esses valores se concretizam no fortalecimento de instituições democráticas; no fortalecimento dos movimentos sociais; na defesa de políticas econômicas a serviço do crescimento e da redistribuição de renda; na proposição de direitos sociais amplos e universais; na garantia da formação profissional com qualidade. Os valores subjacentes ao trabalho social constam-nos
códigos de ética da profissão em nível nacional e internacional.
Teoria A metodologia do trabalho social apóia num conjunto de conhecimentos teóricos e empíricos, resultantes de investigação e de socialização de experiências, incluindo conhecimentos específicos, inerentes a determinados
contextos locais, analisados numa perspectiva de totalidade. Para compreender a complexidade das relações sociais e as condições de vida dos usuários com os quais trabalha, o trabalho social incorpora teorias sociais e econômicas que
lhe permitam analisar e intervir em situações complexas junto a indivíduos, grupos, famílias e comunidades.
Prática  O trabalho social enfrenta as barreiras, desigualdades e injustiças existentes na sociedade. Atua em situações de crise e de emergência. Trabalha na elaboração, execução de políticas e projetos sociais, presta orientação
a indivíduos e grupos, planeja, organiza e administra benefícios sociais, assessora
órgãos, empresas e movimentos sociais, realiza pesquisas e estudos sócio-econômicos para acesso a benefícios e serviços sociais. Para isso é necessário que o trabalhador seja um profissional propositivo, com sólida formação ética,
capaz de informar sobre os direitos sociais e meios de acessá-los. Atuam como assessores em processo administrativos e judiciais com realização de vistorias, perícias, avaliações, análise de documentos, estudos técnicos, coletas de dados e pesquisa. Elaboram pareceres, laudos, relatórios e estudos de casos. A sua
intervenção inclui ainda a gestão de organismos, de serviços comunitários e envolvimento em ações político-sociais para influenciar a política social e o desenvolvimento econômico. A intervenção do trabalho social é universal, mas
as prioridades no seu exercício variam de país para país e de tempos a tempos, conforme as condições culturais, históricas e sócio-econômicas existentes.
Conselho Federal de Serviço Social
‘Gestão Atitude Crítica para avançar na Luta’
Acredito que esta definição esclarecerá de que forma o Assistente Social atua, nas áreas de intervenção.


 Bem, dando prosseguimento ao assunto, poderíamos ficar horas e horas debatendo sobre a profissão de assistente social, vimos várias pessoas se posicionarem a respeito da caridade, assistencialismo e da questão social. Isso tudo é bem relativo se formos pegar o fio da meada, desde o surgimento da profissão, vamos ver que a profissão surgiu através da caridade entranhada na sociedade pela Igreja, onde tirou a função de responsabilidade do Estado para engajar a ajuda humanitária. Partindo desse pressuposto logo depois o estado tomou essa responsabilidade, cito como um dos exemplos a lei dos pobres criada na Inglaterra em 1801, onde a subsistência de pessoas era realizada pelo poder monárquico, calma, até aí poderíamos entender que o serviço social dar ajuda aos pobres, continuando… Mais tarde no regime capitalista houve mudanças no modelo de trabalho onde trabalhador, incluindo homens e crianças estavam sendo tratados como máquinas, devido a esses problemas houve revoltas entre os trabalhadores, originando-se em movimentos de classes sociais buscando vários direitos sociais, - estou resumindo para que entendam – aprimore com o movimento de reconceituação o serviço social passou a ter uma metodologia de trabalho, mais efetiva e com maior eficácia. O Assistente Social é um profissional que lida com situações adversas e atípicas que ocorrem na sociedade chamada de questão social, fatores que fazem com que ocorram são fundamentais para o profissional identificá-los e buscar meios através de instrumento técnicos operativos e teóricos metodológicos para intervir de maneira satisfatória na demanda apresentada ao profissional. Um bom projeto de intervenção é importante, pois modifica uma realidade vivida e combate as mazelas sociais, intervir para o processo de ascensão nos comunidade assistida é essencial para sua própria subsistência, porém não devemos confundir assistência.

O trabalho do assistente social tem como principal objetivo responder às demandas dos usuários dos serviços prestados, garantindo o acesso aos direitos assegurados na Constituição Federal de 1988 e na legislação complementar.
Para isso, o assistente social utiliza vários instrumentos de trabalho, como entrevistas, análises sociais, relatórios, levantamento de recursos, laudos sociais, encaminhamentos, visitas domiciliares, dinâmicas de grupo, pareceres sociais, contatos institucionais, e demais fundamentações legais, teórico metodológicas pertinentes ao exercício profissional relacionadas às questões sociais apresentadas referentes ao idoso, a criança e ao adolescente, Lei 8080/90, CLT, LOAS, Código de Ética, e Manual de Saúde e de Pessoal da Empresa, dentre outros necessários.
A adequada utilização desses instrumentos requer uma contínua capacitação profissional que busque aprimorar seus conhecimentos e habilidades nas suas diversas áreas de atuação.
O assistente social é qualificado para intervir nas relações de forma técnica e ética, características que fazem parte das competências do serviço social, e que tornam possível a execução de uma ação transformadora no âmbito das relações sociais,
A intervenção efetivar-se-á de forma objetiva, a partir de um diagnóstico preciso e crítico para compreensão dos fatores que interferem no relacionamento, compreendendo a situação, as particularidades que a permeiam, para então estabelecer ações eficazes de intervenção, tendo clareza do contexto e como este repercutem nas relações.
O assistente social não pode esquecer que sua formação vai muito além da
mera orientação de direitos, ou reprodução da cultura do capital através de ações de controle, traduzidas em formas de adequação.
Seu papel é identificar as novas modalidades de gestão da produção, redescobrir propostas e possibilidades de atuação, visualizando os trabalhadores como sujeitos de acordo com os princípios da cidadania e eliminação dos preconceitos no exercício de sua profissão.
O assistente social tem como compromisso a materialização dos princípios éticos do projeto de sua profissão, se posicionando em favor da equidade e justiça social e que defenda os direitos do trabalhador, colocando os direitos sociais como foco de sua ação para conquista e ampliação dos já existentes.
Profissional de caráter sociopolítico, crítico e interventivo que atua como propositor e executor das Políticas Sociais, traduzidas nos diversos programas dos macro-processos que se apresentam no seu espaço profissional, se percebe ante as novas exigências do mercado de trabalho, que hoje demanda ações e papéis profissionais cada vez mais multifacetados, voltados à eficiência técnica,
Produzindo uma visão generalista do “gestor social”, cuja definição abrange diversas formações profissionais.
O emergente mercado cria um novo ethos para a profissão ao perder a sua
especificidade no trato à questão social.
O que particulariza a ação profissional do assistente social é a dimensão investigativa, empírica e a fundamentação teórica dessa dimensão empírica e não pragmática.
Conhecimento e ação através da intervenção no aspecto particular – modos de pensar e agir dos sujeitos sociais – intervenção pedagógica que se dá através da formação e informações transformadas em conteúdo, em processos sociais que se realizam no âmbito das relações sociais.
Caráter pedagógico capaz de realizar ações de cunho democrático e emancipador, que leve os sujeitos, mais precisamente aqui, os trabalhadores, a se tornarem protagonistas de sua própria história.
A concepção de ação pedagógica, aqui utilizada, diz respeito a ações, de caráter educativo, presentes na atuação profissional, que favoreçam a reflexão crítica dos trabalhadores sobre o processo de trabalho, onde estão inseridos. Pois, “… a base do pensamento pedagógico gramsciano assenta-se nas premissas de que o
trabalho é o princípio educativo universal de toda a sociedade moderna” (SILVA, 1997, p.40).
Constitui-se, também, um passo importante para a construção dos objetos e objetivos estratégicos da profissão, como disserta Netto:
“os profissionais que defendem uma direção social estratégica para o Serviço Social não podem contentar-se com a sinalização das demandas do mercado de trabalho: devem conectá-la à análise das tendências societárias macroscópicas e aos objetivos e valores do projeto social que privilegiam” (Netto, 1996: 123).
A origem do Serviço Social nas empresas está intimamente relacionada ao nível de eficiência, racionalidade e produtividade imposto pelo processo de modernização do capital. O assistente social, por meio de sua ação técnicas-políticas, passou a ser requisitado para responder às necessidades vinculadas à reprodução material da força de trabalho e ao controle das formas de convivência entre empregado e empresa, contribuindo para o aumento da produtividade no trabalho. No controle sobre a força de trabalho, as ações profissionais são direcionadas a exercer funções de apoio à administração do trabalho, intervindo na repressão dos conflitos e na promoção da integração dos trabalhadores às exigências do processo produtivo. O Serviço Social sempre foi chamado pelas empresas para eliminar focos de tensões sociais, criar um comportamento produtivo da força de trabalho, contribuindo para reduzir o absenteísmo, viabilizar benefícios sociais, atuar em relações humanas na esfera do trabalho.Com a reestruturação produtiva, ocorre um deslocamento do Serviço Social para a área de recursos humanos, na esfera da assessoria gerencial e na criação dos comportamentos produtivos, ou seja, clima social.
Essa ação está cada vez mais consolidada e integrada às estratégias de competitividade, baseada em uma política de parceria entre empresa e trabalhador.
Nossa profissão é concebida como uma totalidade dialética em movimento,unindo contradição e complexidade em suas diversas formas assumidas e seus diferentes direcionamentos”(Freire,2008)
“Este grau de racionalidade permite apreender os processos sociais e atuar sobre eles”(Guerra,1995)
.
É uma profissão desafiante e desafiadora.
Atribuições do AS na área empresarial: é um campo que oferece uma multiplicidade de intervenções e de propostas para um modelo mais saudável de relação capital x trabalho,e uma sociedade mais justa.Lógico, fácil não é.Mas é possível.
§ Elaborar, coordenar, executar e avaliar programas e projetos na área de recursos humanos visando contribuir para melhoria da qualidade de vida dos empregados;
§ Prestar assessoria e consultoria as gerências de departamento e divisões referentes às relações sociais de trabalho;
§ Prestar assessoria individual / grupo aos empregados nas questões relacionadas a trabalho, família, planejamento orçamentário e benefícios;
§ Promover, incentivar e monitorar a participação dos empregados e dependentes nas atividades socioculturais e educativas;
§ Analisar fenômenos significativos observados na prática do serviço social (diagnóstico social);
§ Emitir pareceres, laudos e avaliações de assuntos de competência do Serviço Social;
§ Assessorar aos empregados em todos os níveis hierárquicos, facilitando a tomada de decisão para o encaminhamento de suas questões pessoais e profissionais que impactem nos resultados do trabalho e vida pessoal;
§ Emitir parecer quanto à implantação de serviços e benefícios no campo do bem estar social;
§ Organizar, elaborar, propor normas, regulamentos e formulários e programas necessários a realização das atividades voltadas para a promoção da saúde,segurança e qualidade de vida;
§ Elaborar relatórios, pesquisas,estudos,análises qualitativas e quantitativas, correspondências, quadros estatísticos e comparativos necessários à documentação das atividades;
§ Interpretar os serviços e benefícios de Furnas e Real Grandeza para os empregados e dependentes;
§ Propor ações estratégicas de gestão de pessoas, no que se refere à obtenção de melhores condições de trabalho para os empregados;

§ Desenvolver ou coordenar projetos referentes à qualidade de vida e benefícios sociais dos empregados;
§ Atuar como analista de RH absorvendo as demandas e assuntos relacionados à gestão de pessoas;
ART. 6º "SÃO DIREITOS SOCIAIS A EDUCAÇÃO, A SAÚDE, O TRABALHO, O LAZER, A SEGURANÇA, A PREVIDÊNCIA SOCIAL, A PROTEÇÃO À MATERNIDADE E À INFÂNCIA, A ASSISTÊNCIA AOS DESAMPARADOS, NA FORMA DESTA CONSTITUIÇÃO."
CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DE 1988.
Violação aos direitos humanos...
Ainda existe o trato desumano,
Atrocidades, horrores, intrigas.
Há poder envolvendo esta liga.

Surgem ícones de resistência...
Voluntários nesta emergência
E representatividade política
Ajudam como anjos, milícias...

 
ASSISTENTE SOCIAL: UM PROFISSIONAL A SERVIÇO DOS
DIREITOS, DA CIDADANIA E DA JUSTIÇA SOCIAL


RESUMO

O objetivo deste artigo é esclarecer qual o novo papel do Assistente Social na sociedade após o
movimento de reconceituação do Serviço Social que se iniciou na década de 1980, revelando através
do materialismo histórico dialético as diferentes funções que o profissional se submeteu, enquanto
inserido no contexto da história brasileira. Assim, pretende-se abolir da profissão o retrato mais do que
retrógrado da “mocinha boazinha” que tem “dó dos pobres” e distribui cestas básicas, para inseri-la na
dimensão teórico-metodológica do seu novo projeto ético-político, consoante com a transformação da
sociedade.

PALAVRAS-CHAVE: Assistente Social. Projeto Ético-Político. Serviço Social.

INTRODUÇÃO

“O momento que vivemos é um momento pleno de desafios. Mais do que nunca é
preciso ter coragem, é preciso ter esperanças para enfrentar o presente. É preciso
resistir e sonhar
Marilda Vilela Iamamoto
As inquietações trazidas quando nos apresentamos como graduandas do curso de
Serviço Social, diante de pontos de vista ainda tradicionais da profissão percebida nos vários
espaços da sociedade, desde o sujeito mais simplório como diante de doutores das
universidades, motivou-nos a escrever este artigo. Percebemos que a maioria das pessoas
ainda possui a visão do Assistente Social que contribui para a manutenção do sistema, como
mero executor das políticas impostas pela instituição onde atua.
O fato de percebermos muitas vezes a estigmatização do profissional, rotulada
como aquele que têm “dó dos pobres” e que só serve para distribuir cestas básicas, diante de
toda uma carga teórica acadêmica totalmente divergente e imbuída de uma profunda mudança
de postura, despertou-nos a necessidade de esclarecer o novo papel do Serviço Social.
O Assistente Social tem como objeto de trabalho a questão social, que é produzida
pela relação capital e trabalho no sistema capitalista, onde se tem o mercado como centro
norteador das estruturas políticas, sociais e econômicas. A questão social se expressa através


da precarização do trabalho, do desemprego, da pobreza, da violência, enfim, coloca às
margens da sociedade vários sujeitos que passarão a ser usuários das políticas públicas sociais
do Estado.
Os diversos setores da sociedade organizada precisam compreender a importância
do Assistente Social na realidade social contemporânea, enquanto agente crítico engajado nas
lutas sociais, que atua junto aos usuários das políticas públicas, muitas vezes elaborando-as e
não só executando-as, e também as tornando acessíveis.
Este é um profissional preocupado com a ampliação dos direitos sociais
universais, e contra as desigualdades; até mesmo para cobrar dele esta postura estabelecida
em seu atual Código de Ética Profissional (CREES, 2005). Que atua junto aos movimentos
organizados da sociedade; que propicia meios aos seus usuários para o exercício de suas
cidadanias; que elabora políticas públicas de acesso aos direitos sociais garantidos
constitucionalmente; e que atua como mediador de conflitos entre as classes sociais, buscando
igualdade de oportunidades.
No entanto, nos parece compreensível que a nódoa que marca o conceito sobre a
atuação do Assistente Social tem fundamentos e deve ser esclarecida, a começar por uma
viagem histórica de construção e desafios impostos a esta categoria profissional, como se verá
a seguir.

HISTÓRICO DO SERVIÇO SOCIAL BRASILEIRO

O Serviço Social no Brasil surgiu na década de 1930, por iniciativa da Igreja
Católica e concomitantemente à implantação das Leis Sociais, que na verdade, se tratavam
das leis trabalhistas de Getúlio Vargas. O crescimento do contingente de proletários com suas
famílias, verdadeiros amontoados nos cortiços da época, a insatisfação desses profissionais
com a excessiva jornada de trabalho e os baixos salários, obrigaram o Estado a promover
algumas concessões que, na verdade, tinham como pano de fundo o controle das massas.
Desta forma foi implantado o trabalho de agentes sociais para atuarem no controle social dos
que só tinham a sua força de trabalho para vender.
A implantação do Serviço Social se dá no decorrer desse processo histórico.
Não se baseará, no entanto, em medidas coercitivas emanadas do Estado.
Surge da iniciativa particular de grupos e frações de classe, que se
manifestam, principalmente, por intermédio da Igreja Católica
(IAMAMOTO & CARVALHO, 2005, p.127)
Que desenvolvam atividades de grande mérito social. É encarada por muitos como uma forma de ajudar e guiar o desenvolvimento e a mudança social, sem recorrer à intervenção estatal, muitas vezes contribuindo por essa via para contrariar ou corrigir as más políticas públicas em matéria social, cultural ou de desenvolvimento científico. Os indivíduos que adotam esta prática, naturalmente indivíduos que dispõem dos necessários meios econômicos, são em geral denominados por filantropos ou filantropistas ("Filantrópicos", no Brasil). A filantropia é uma das principais fontes de financiamento para as causas humanitárias, culturais e religiosas. Em alguns países a filantropia assume papel relevante no apoio à investigação científica e no financiamento das universidades e instituições acadêmicas.
Fonte(s): é a acção continuada de doar dinheiro ou outros bens a favor de instituições ou pessoas


filantropia é a ação continuada de doar dinheiro ou outros bens a favor de instituições ou pessoas que desenvolvam atividades de grande mérito social.

A Igreja Católica recrutava as “agentes sociais” dentre os membros da classe
dominante, fornecendo-lhes uma formação ideológica cristã, com propósitos de atuação
baseados na caridade e na repressão. Essas agentes, na maioria jovens da sociedade, atuavam
junto às mulheres e crianças com instruções sobre higiene, prendas domésticas, moral e
valores normatizados pela doutrina cristã.
E em 1932 foi inaugurado o Centro de Estudos e Ação Social (CEAS) de São
Paulo como primeira iniciativa de formação de “trabalhadoras sociais”, baseado no método de
ensino da Escola Católica de Serviço Social de Bruxelas, com orientação para a formação
técnica da ação social e difusão da doutrina social da igreja. “(...) São promovidos diversos
cursos de filosofia, moral, legislação do trabalho, doutrina social, enfermagem de emergência
etc.” (IAMAMOTO & CARVALHO, 2005, p. 173).
Em 1940 surge o Instituto de Serviço Social de São Paulo, outra escola de Serviço
Social, só que destinada a homens e com a oferta de bolsas gratuitas, subsidiadas pelo Estado.
Essa iniciativa partiu da necessidade de levar o trabalho social para os presídios masculinos,
bem como para instituições de internação e correção de menores. “Ainda quanto à questão da
demanda, caberia considerar dois aspectos: a importância quantitativa de alunos bolsistas e
dos cursos intensivos de formação de auxiliares sociais”;(IAMAMOTO & CARVALHO,
2005, p. 178).
O CEAS foi se expandindo no Brasil a partir das experiências do primeiro,
inaugurado em São Paulo, mas com a doutrina e a prática voltadas para atendimentos
individuais, sob a orientação da igreja e da metodologia europeia, influenciado pela Escola
Católica de Serviço Social de Bruxelas.
Nos anos 1960, durante o governo de JK (Juscelino Kubistchek) surgiu, dentro da
categoria, assistentes sociais envolvidos no trabalho em comunidades que, influenciados pela
militância católica de esquerda, começaram a questionar o trabalho social meramente
assistencialista e sem perspectiva de mudança na realidade dos assistidos, conforme nota
Aguiar (1985)
Por outro lado, um reduzido setor da categoria profissional é influenciado
pelo novo posicionamento dos cristãos de esquerda, que colocam a
conscientização e a politização em função das mudanças estruturais. Essa
nova postura permite que se registre, no período 1960-1964, uma prática
desse reduzido grupo de assistentes sociais que parte de uma analise crítica
da sociedade, percebendo as contradições e a necessidade de mudanças
radicais (p. 104 apud SILVA, 1995, p. 28)
O desejo de romper com o Serviço Social tradicional contribuiu para a formação
de grupos de discussão dentre os profissionais assistentes sociais, culminando com debates ao
longo dos vários congressos nacionais periódicos da categoria e delimitando os espaços de
pensamentos, entre conservadores – os que queriam manter a perspectiva tradicional, e
aqueles modernizadores – um novo projeto com vistas à transformação social.
Esse debate foi sufocado pela ditadura militar, ressurgindo com o processo de
renovação do Serviço Social que ocorreu entre os anos de 1967 e 1984. Os eventos deste
período foram organizados num primeiro momento por iniciativa do CBCISS (Centro
Brasileiro de Cooperação e Intercâmbio de Serviço Social), que envolveu profissionais e
professores da área. E depois se articulando com a ABESS1 (Associação Brasileira de
Assistentes Sociais).
A perspectiva modernizadora foi projetada no documento do Congresso 1967
realizado em Araxá/MG. Nele fica elencada a necessidade da busca do desenvolvimento
associado à promoção humana, através da conscientização da população, embasada na
Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948).
Cinco anos mais tarde, em 1972, no encontro de Teresópolis, foi aprovada uma
nova metodologia de ensino para formação de assistentes sociais, aferindo cientificidade ao
curso com a introdução das disciplinas: Planejamento, Administração, Estatística, Política
Social, Economia e Sociologia.
Os documentos produzidos, em ambos os encontros, explicitam e reafirmam
a diretriz tradicional do Serviço Social em busca da integração social,
assumindo a perspectiva de modernização colocada no contexto da
sociedade brasileira como um todo. (SILVA, 1995, p. 35)
A nova influência provinda do espaço acadêmico, mais especificamente das
disciplinas das ciências sociais, no estudo da teoria marxista, aliada a atuação junto às
comunidades eclesiais de base, com a Teologia da Libertação e os movimentos populares de
esquerda. Com isso, fortaleceu-se, em 1979, o movimento da categoria denominado
Movimento de Reconceituação. Na verdade se trata do movimento que foi abafado pela
ditadura militar e que agora volta num ambiente democrático e com orientação teóricocientífica.
1 Hoje ABEPS- Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social

(...), o Movimento de Reconceituação procura se orientar por uma
perspectiva dialética, com base na concepção de Estado ampliado, que
permite perceber a instituição como espaço contraditório e de luta de classes.
A partir daí, começa a se desenvolver um esforço no sentido de fortalecer a
prática institucional, vista na sua articulação com os movimentos sociais
populares organizados, passando a se configurar a possibilidade de uma
dissociação entre os objetivos institucionais e os da prática profissional.
Nessa perspectiva, o Serviço Social questiona a vinculação histórica da
profissão com os interesses dos setores dominantes e aponta a necessidade
de desvendar a dimensão política da prática profissional e a busca de novas
bases de legitimação. (SILVA, 1995, p. 39-40)
Não se pode deixar de mencionar também a influência da metodologia de ensino
de Paulo Freire que dominava os fóruns de discussão em torno da educação; a criação do PT
(Partido dos Trabalhadores); a campanha pelas “diretas já”; o crescimento dos movimentos
grevistas, com o fortalecimento dos sindicatos por categorias e a união em centrais sindicais,
espaços nos quais vários assistentes sociais já atuavam e ao mesmo tempo serviram de base
para o movimento de reconceituação.
O significado desse movimento teve sua marca no III Congresso Brasileiro de
Assistentes Sociais, ocorrido no mesmo ano, conhecido como o “ano da virada”, onde a mesa
da solenidade de abertura composta por autoridades governamentais foi destituída e
recomposta por representantes das organizações populares, numa demonstração clara de
ruptura com o conservadorismo e reveladora dos novos parceiros do Serviço Social brasileiro.
Iniciou-se uma ampla reforma no Serviço Social, desde a formação acadêmica,
com introdução de novas disciplinas, até a recomposição das direções das associações
representativas da categoria de Assistentes Sociais.
O “ano da virada”, como ficou conhecido 1979, é marcado por um
movimento de oposição à direção conservadora do Conselho Regional de
Assistentes Sociais de São Paulo, dando-se a rearticulação da Associação
Profissional de Assistentes Sociais, também de São Paulo, com vitória da
chapa de oposição, na busca do fortalecimento do movimento sindical no
interior da categoria. (SILVA, 1995, p. 40)
Uma nova proposta curricular foi introduzida em 1982, fundamentada na teoria
marxista do mundo do trabalho e seu materialismo histórico-dialético, pois o Assistente
Social atua nas seqüelas que as contradições da relação capital e trabalho produzem.
A compreensão dos fundamentos históricos, teóricos e metodológicos do
Serviço Social que informa a revisão curricular parte da premissa que
decifrar a profissão exige aprendê-la sob um duplo ângulo. Em primeiro
lugar, abordar o Serviço social como uma profissão socialmente determinada

na história da sociedade brasileira. Em outros termos, analisar como o
Serviço Social se formou e desenvolveu no marco das forças societárias,
como uma especialização do trabalho na sociedade. (IAMAMOTO, 2005, p.
57)

A ORIENTAÇÃO FILOSÓFICA, CRÍTICA, ÉTICA E POLÍTICA DO ASSISTENTE SOCIAL


O Assistente Social trabalha para combater as mazelas engendradas pelo
capitalismo: fome, desemprego, miserabilidade, precarização das relações de trabalho,
exploração de menores, mulheres, idosos dentre outras. Em síntese, as sequelas da questão
social.
Questão social apreendida como conjunto das expressões das desigualdades
da sociedade capitalista madura, que tem raiz comum: a produção social é
cada vez mais coletiva, o trabalho torna-se mais amplamente social,
enquanto a apropriação dos seus frutos mantém-se privada, monopolizada
por uma parte da sociedade. A globalização da produção e dos mercados não
deixa dúvidas sobre esse aspecto: hoje é possível ter acesso a produtos de
várias partes do mundo, cujos componentes são fabricados em países
distintos, o que patenteia ser a produção fruto de um trabalho cada vez mais
coletivo, contrastando com a desigual distribuição da riqueza entre grupos e
classes sociais nos vários países, o que sofre a decisiva interferência da ação
do Estado e dos Governos. (IAMAMOTO, 2008, p. 27)
Vivemos numa sociedade desigual, portanto, na qual o Estado, com ações
minimalistas orientadas por ditames internacionais, sucumbe à classe que só tem a mão de
obra para sobreviver. São homens e mulheres que “levantam todos os dias e de sol a sol
trabalham para garantir seu sustento”. Vivem em condições precárias de baixos salários e
destituição dos direitos outrora conquistados. E quando chegam à velhice, que é uma
conquista da humanidade, tem mais uma vez seus direitos violados, pois é obrigado a viver
com uma aposentadoria “vergonhosa que mal paga as medicações.”
Diante de toda contradição fomentada dentro do capitalismo, há pessoas que
acreditam na possibilidade de mudanças dentre estas estão os Assistentes Sociais. Embora a
profissão tenha um histórico de práticas de adaptação de sujeitos a ordem e que eram
extremamente conservadoras de cunho moralizante e vexatório, a partir da década de 1970
tais práticas começaram a mudar.
O marxismo passa a ser defendido pelos teóricos da área e também as práticas vão
se modelando dentro desta linha. Os profissionais abraçaram as causas dos trabalhadores,
brigaram para retirada do código de menores, lutaram contra a ditadura, e se mobilizaram pela
Constituição de 1988. Assim, vários debates e discussões ocorreram e, em 1993, materializase
de forma coerente com as orientações filosóficas e políticas da profissão, a reformulação do
Código de Ética.
O Código de Ética nos indica um rumo ético-político, um horizonte para o
exercício profissional. O desafio é a materialização dos princípios éticos na
cotidianidade do trabalho, evitando que se transformem em indicativos
abstratos, deslocados do processo social. Afirma, como valor ético central, o
compromisso com a parceria inseparável, a liberdade. Implica a autonomia,
emancipação e a plena expansão dos indivíduos sociais, o que tem
repercussões efetivas nas formas de realização do trabalho profissional e nos
rumos a ele impressos (IAMAMOTO, 2008, p. 77)
O Código de Ética dos Assistentes Sociais é direção para profissão. Nele
encontram-se princípios fundamentais que devem nortear as práticas destes profissionais. São
princípios que dão suporte para vencer os desafios do cotidiano. Além dos citados por
Iamamoto (2008) acima, alguns deles são:
Defesa intransigente dos direitos humanos e recusa do arbítrio e do
autoritarismo;
Ampliação e consolidação da cidadania, considerada tarefa
primordial de toda sociedade, com vistas à garantia dos direitos civis
e sociais e políticos das classes trabalhadoras;
Posicionamento em favor da eqüidade e justiça social, que assegure
universalidade de acesso a bens e serviços relativos aos programas e
políticas sociais, bem como a gestão democrática.
Empenho na eliminação de todas as formas de preconceito,
incentivando o respeito à diversidade, à participação de grupos
socialmente discriminados e à discussão das diferenças;
Opção por um projeto profissional vinculado ao processo de
construção de uma nova ordem societária, sem dominaçãoexploração
de classe, etnia e gênero;
Exercício do Serviço Social sem ser discriminado, nem discriminar,
por questões de inserção de classe social, gênero, etnia, religião,
nacionalidade, opção sexual, idade e condição física. (CRESS, 2005,
p. 20-21)
Neste sentido, revela-se um profissional diferente, que nada contra a correnteza.
Que em meio a tantas desigualdades e explorações é ousado em lutar por justiça social. E
ainda ousa mais, pois opta “por um projeto profissional vinculado a construção de uma nova
ordem social” (CRESS, 2005, p. 20).

Este projeto profissional que é um projeto crítico ajuda a construir estratégias de
luta contra o capital e seus comparsas. Essas estratégias podem se materializar em formas de
debates, socialização de informações, políticas e programas sociais.
Neste âmbito, entendermos que o exercício profissional orientado por um
projeto profissional que contenha valores universalistas, baseado no
humanismo concreto, numa concepção de homem enquanto sujeito
autônomo, orientado por uma teoria que vise apreender os fundamentos dos
processos sociais e iluminar as finalidades, faculta aos assistentes sociais a
consciência de pertencer ao gênero e lhe permite desenvolver escolhas
capazes de desencadear ações profissionais motivadas por compromissos
sociocêntricos que transcendem a mera necessidade pessoal e
profissional[...], orientados por um projeto profissional crítico os assistentes
sociais estão aptos, em termos de possibilidade, a realizar uma intervenção
profissional de qualidade, competência e compromisso indiscutíveis

(GUERRA, 2007, p.15)

Nas várias instituições que existe o Assistente Social, há também desafios e
possibilidades. O agravamento da questão social promovida pelo neoliberalismo, a falta de
recursos financeiros e materiais constituem-se em desafios. Sendo alguns dos seus
empregadores: o primeiro setor que é o Estado, vemos os desafios postos a estes profissionais
nos variados campos de atuação: saúde, educação, assistência social; no segundo setor, que

video
são as empresas privadas, os desafios são os de romper com práticas exploradoras e alienantes
dos dominantes para com os trabalhadores; no terceiro setor, ONGs (Organizações Não-
Governamentais), OSCIPS (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) e
Movimentos Populares, é o de romper com práticas clientelistas e assistencialistas que são
abominadas pelo Código de Ética (2005). Estes campos de atuação nos mostram que os focos
destruidores da questão social estão postos no cotidiano destes profissionais.
Aqueles que demandam seus serviços são pessoas que estão fora do processo de
acumulação de riquezas. O bolo cresceu e não foi divido. Há uma ampla concentração de
renda nas mãos de poucos e uma grande parcela da população brasileira é obrigada a ficar
com os mínimos para a sua sobrevivência. Os verdadeiros Assistentes Sociais:
Ao reconhecer que, precisamente porque nos tornamos seres capazes de
observar, de comparar, de avaliar, de escolher, de decidir, de intervir, de
romper, de optar, nos fizemos seres éticos e se abriu para nós a probalidade
de transgredir a ética, jamais poderia aceitar a transgressão como um
direito, mas como uma possibilidade. Possibilidade contra que devemos
lutar e não diante da qual devemos cruzar os braços. (FREIRE, 1996, 100)
Embora a fala de Paulo Freire esteja direcionada aos docentes, ainda assim nos
alerta a lutar contra uma ética que está colocada para nós. Uma ética que destrói os direitos.

Os verdadeiros Assistentes Sociais sabem compreender a realidade. Sabem que é esta ética de
mercado que desvincula os cidadãos de seus direitos é esta ética que financia a violência
contra a humanidade. Violência aqui compreendida como a exploração de homens sobre
homens. Embora, ainda exista profissional que age em prol da ética de mercado a verdadeira
prática deve ser transformadora e não mantenedora deste sistema, pois “ela é condicionada
pela visão de mundo, pelos valores, crenças e hábitos fundamentos teóricos, e princípios
éticos que constroem o agir profissional” (FÁVERO, 2006, p. 23).
Contudo, com o aparato de conhecimento, com a capacidade de intervenção na
realidade, com a competência de investigar problemas sociais, com os grupos de
convivências, com a formação de sujeitos políticos etc. são inúmeras possibilidades para estes
profissionais: socializar informações; orientar a população quanto aos seus direitos; incentivar
a participação dos sujeitos em organismos de lutas; fazer com que a ação do Assistente Social
promova a mudança e assim se materialize em “uma nova ordem social” contrária as
desigualdades e explorações, cuja ação é pautada na emancipação humana.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Podemos considerar o Serviço Social brasileiro ainda muito jovem se partirmos
do seu renascimento com a ruptura em 1979. No entanto a produção literária e científica que
remonta sua construção, dentro do contexto político, social e econômico da história brasileira
é bastante rica. Além disso, traz elementos importantes para as articulações da projeção do
que ele pretende estar sendo. Elementos que norteiam uma identidade dialética, em constante
necessidade de resignificação no contexto mutante da sociedade.
Portanto, esperamos ter contribuído para uma compreensão, ainda que superficial,
das reais atribuições do Assistente Social hoje, elencadas no seu Código de Ética Profissional,
bem como na Lei 8.662/93, que regulamenta sua profissão. Como um profissional a serviço
dos direitos, da cidadania e da justiça social, que surgiu a partir das demandas sociais e
permanece consciente de que é referendado pelas classes menos favorecidas socialmente,
porém com outra ótica: a do compromisso com essa parcela da sociedade, em busca da
transformação de suas realidades, e tendo como parceiros outros profissionais e os usuários.

REFERÊNCIAS

AGUIAR, Antonio Geraldo. Serviço Social e Filosofia das origens a Araxá. 4. ed. São Paulo:
Cortez. 1985.
ASSISTENTE SOCIAL: UM PROFISSIONAL A SERVIÇO DOS DIREITOS, DA CIDADANIA E DA JUSTIÇA SOCIAL
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 166-175, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica
ASSISTENTE SOCIAL: UM PROFISSIONAL A SERVIÇO DOS DIREITOS, DA CIDADANIA E DA JUSTIÇA SOCIAL
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 166-175, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica 175
BARROCO, Maria Lúcia Silva. Ética e Serviço Social fundamentos ontológicos. 4 ed. – São Paulo:
Cortez, 2006.
BRAMIDES, Maria Beatriz Costa. Desafios do projeto profissional de ruptura com o
conservadorismo. In: Serviço Social & Sociedade São Paulo: Cortez, N. 5, ano 28, 2007.
CRESS, (Conselho Regional de Serviço Social 6ª Região) Código de ética Profissional dos
Assistentes Sociais. In: Coletânea de Leis- Belo Horizonte: CRESS, 2005.
FÁVERO, Eunice Terezinha. O Estudo Social- Fundamentos e particularidades de sua construção
na Área Judiciária. In: O Estudo Social em Perícias, Laudos e Pareceres Técnicos: Contribuição ao
debate Penitenciário e na Previdência Social/ Conselho Federal de Serviço Social, (org.). 6. ed. – São
Paulo: Cortez, 2006.
FREIRE, Paulo Freire. Pedagogia da Autonomia. 36. ed. - São Paulo: Paz e Terra, 1996.
GUERRA, Yolanda. O projeto profissional crítico: estratégias de enfrentamento das condições
contemporâneas da prática profissional In: Serviço Social & Sociedade São Paulo: Cortez, N. 5,
ano 28, 2007.
IAMAMOTO, Marilda Vilela e CARVALHO, Raul de. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil-
17. ed. São Paulo: Cortez; [Lima, Peru]: CELATS, 2005.
IAMAMOTO, Marilda Vilela. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação
profissional. 14. ed. – São Paulo: Cortez, 2008.
SILVA, Maria Ozanira da Silva e. O Serviço Social e o Popular: resgate teórico-metodológico do projeto profissional de ruptura. 1. ed. – São Paulo: Cortez, 1995
Revista da Católica, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 166-175, 2009 – www.catolicaonline.com.br/revistadacatolica

Nenhum comentário:

Postar um comentário